sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Honda PCX DLX 2015: nova versão diferenciada no mercado

Modelo amplia a linha da scooter mais vendida do país e chega à rede de concessionárias a partir de novembro

Líder absoluta no segmento de scooters no Brasil, a Honda consolida ainda mais a presença nesse mercado ao atender aos anseios por um produto que expresse o estilo de vida de seus consumidores. Para isso, apresenta a versão DLX da PCX 2015, com uma combinação sofisticada entre a tonalidade preto fosco das carenagens e o dourado exclusivo das rodas. A novidade traz mais diferenciação ao modelo, que já conta com as opções branca e preta perolizadas.
A versão DLX permanece com os atributos mecânicos e ciclísticos que colocaram a PCX na liderançado segmento. Entre eles está o exclusivo sistema “Idling Stop System”, que interrompe o funcionamento do motor em paradas, como em um semáforo, e proporciona economia de combustível e redução de emissão de poluentes.

Com cilindrada de 152,9 cm³, o motor de quatro tempos é do tipo OHC (Over Head Camshaft), arrefecido a líquido, com potência de 13,6 cv a 8.500 rpm e torque máximo de 1,41 kgf.m a 5.250 rpm. Já o sistema de alimentação é por injeção eletrônica de combustível PGM-FI (Programmed Fuel Injection).
Os freios contam com o sistema CBS (CombinedBrake System), capaz de distribuir parte da força aplicada ao freio traseiro para o dianteiro, garantindo mais segurança e eficiência, principalmente em situações de emergência.

Disponível em toda a rede de concessionárias Honda a partir de novembro, a PCX DLX 2015 tem preço público sugerido de R$ 8.990,00, com base no Estado de São Paulo, sem despesas com frete e seguro. A garantia é de um ano, sem limite de quilometragem.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Moto 1000 GP tem etapa marcada por novos recordes no GP Curitiba

Diego Pierluigi

 Três das quatro categorias do Campeonato Brasileiro de Moto velocidade superam melhores tempos de volta oficiais


Fonte: Grelak Comunicação.
O GP Curitiba, sexta das oito etapas do Moto 1000 GP, foi marcado pelo estabelecimento de novos recordes de velocidade em suas quatro categorias. Em três delas, a etapa de domingo (26) no Autódromo Internacional de Curitiba estabeleceu recorde oficial, que considera tempos registrados nas corridas. O recorde extraoficial, auferido em treinos classificatórios, foi superado em todas as categorias do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade.
Na GP 1000, categoria principal, o argentino Diego Pierluigi conquistou a pole em 1min20s082, com média de 166,104 km/h. O recorde anterior era de Alexandre Barros, pole na etapa de 2012 com 1min20s225. O francês Matthieu Lussiana tornou-se novo recordista oficial da motovelocidade do circuito. Ele cronometrou a melhor volta em 1min20s421, superando o tempo de 1min20s914 estabelecido em 2013 pelo argentino Luciano Ribodino.

Na categoria GP Light o responsável pela quebra dos recordes foi Lucas Teodoro. Ao conquistar a pole position com 1min22s521, ele superou a marca de 1min22s948 que valeu a pole de 2013 a Renato Andreghetto – Rafa Nunes, segundo no grid do GP Curitiba, também fez sua volta no treino classificatório abaixo do tempo do recorde. Na corrida, Teodoro assumiu o recorde oficial com 1min22s641, superando a marca de 1min22s750, também de Andreghetto.

A GP 600 foi a categoria que mostrou mais evolução técnica a partir dos tempos de volta no GP Curitiba. O recorde de pole estabelecido em 2013 pelo espanhol Manuel Jimenez em 1min25s432 foi superado por cinco pilotos. Além do argentino Juan Solorza, que marcou 1min24s474, 0s958 abaixo, também se classificaram para o grid com voltas mais rápidas que a marca anterior Joelsu da Silva, Pedro Sampaio, Sebastian Martinez e Matheus Oliveira.

Na corrida da GP 600 a volta mais rápida do GP Curitiba foi de Oliveira, que cobriu o traçado em 1min24s762, 0s862 mais veloz que o recorde anterior, também cravado pelo espanhol em 2013. As voltas mais rápidas de Sampaio, Martinez e Solorza também superaram a marca de Jimenez. A GPR 250 teve Lucas Torres conquistando a pole com 1min43s101, superando o recorde para treinos que Ígor Calura estabeleceu em 2013, em 1min43s101.

Harley-Davidson vai plantar 50 milhões de árvores em todo o mundo até 2025

Uma das iniciativas da parceria com a The Nature Conservancy visa a expansão
da plantação de árvores na região da Mata Atlântica, no Brasil

Fonte: Printer Press
A Harley-Davidson, em parceria com a The Nature Conservancy, está mobilizando sua comunidade global de motociclistas para levantar fundos com o intuito de plantar 50 milhões de árvores em todo o mundo até 2025 como parte de sua iniciativa, chamada Renew the Ride™.
Com o objetivo de preservar o caminho aberto para gerações futuras de motociclistas, Renew the Ride é a missão global mais recente da Harley-Davidson. Com ela, a empresa encoraja seus clientes e concessionárias a dedicar tempo e realizar doações em prol da The Nature Conservancy, organização sem fins lucrativos cuja missão é conservar plantas, animais e comunidades naturais que representam a diversidade da vida na Terra, protegendo espaços que necessitam para sobreviver. Como parte dessa iniciativa, a Fundação Harley-Davidson se comprometeu a contribuir com uma série de subsídios anuais, totalizando US$ 550 mil em apoio ao programa global da The Nature Conservancy de plantar um bilhão de árvores em todo o mundo.

“O motociclismo tem a ver com sair de sua casa e curtir o ambiente lá fora, admirando o mundo atrás do guidão de sua moto,” diz Mark-Hans Richer, vice-presidente de Marketing da Harley-Davidson Motor Company. “Estamos empenhados em preservar o caminho aberto para as gerações futuras de pilotos. Nossa parceria com a The Nature Conservancy nos dá uma oportunidade de mobilizar a nossa comunidade global para ajudar a cumprir com esta missão”.

O programa de plantar um bilhão de árvores é uma iniciativa sem precedentes que já reflorestou mais de 57 km2 de área e plantou e restaurou mais de 14 milhões de árvores na Mata Atlântica, localizada na região costeira do Brasil, desde 2008. O objetivo é restaurar as florestas mais críticas do mundo, com especial atenção à Mata Atlântica, as províncias de Yunnan e Sichuan, na China, além de áreas nos Estados Unidos.

“Nosso País possui belas paisagens que são um convite para um passeio de moto, por isso, estamos muito entusiasmados por contar com este programa global da Harley-Davidson aqui no Brasil. Estamos planejando ações com as nossas concessionárias e clientes para o futuro próximo e fazer desta ação mais um sucesso,” afirma Flávio Villaça, gerente de Marketing, Produto e Relações Públicas da Harley-Davidson do Brasil.

A comunidade Harley-Davidson de concessionárias e motociclistas tem uma história tradicional na luta por causas sociais e ambientais. Um exemplo é a doação de US$ 91 milhões que a empresa já levantou para aMuscular Dystrophy Association, nos Estados Unidos, desde 1980 e, mais recentemente, a doação de US$ 1.3 milhão para organizações que tratam pessoas com câncer de mama por meio da Harley-Davidson® Pink Label Collection, coleção de roupas voltada ao público feminino. Além disso, as concessionárias e clientes Harley-Davidson levantam fundos e criam ações importantes em prol de suas comunidades locais.

Em outubro de 2014, a Harley-Davidson, seus clientes e concessionárias, e a The Nature Conservancy, plantaram 1.000 pinheiros em South Quay, Virginia, Estados Unidos. A empresa também já se comprometeu a dar suporte na plantação de mais 110.000 árvores nos próximos meses.
Para mais informações, acesse www.renewtheride.com.

GP Curitiba reúne mais de 20 mil torcedores na sexta etapa do Moto 1000 GP

Organização do Brasileiro de Motovelocidade enaltece participação expressiva do público em dia de eleição presidencial

Fonte: Grelak Comunicação.
O GP Curitiba, sexta das oito etapas do Moto 1000 GP na temporada de 2014, definiu no último domingo (26) todos os candidatos aos títulos de cada uma das quatro categorias do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade. Com mais de 20 mil torcedores presentes, o evento evidenciou o maior público de um evento de motociclismo neste ano no Autódromo Internacional de Curitiba, localizado na cidade de Pinhais (PR).
“Conversei com pessoas ligadas à administração do circuito no domingo, elas me disseram que foi o maior público de toda a história do autódromo para a motovelocidade”, frisou o promotor do Moto 1000 GP, Gilson Scudeler. “Isso mostra que o trabalho que temos feito está no caminho certo dentro e também fora da pista. A quantidade de torcedores presentes surpreendeu. O otimismo não era tanto, e tínhamos motivos para isso”.

Scudeler enumera os fatores que poderiam comprometer a participação dos torcedores no GP Curitiba. “A etapa aconteceu num domingo de eleição presidencial. Além disso, desde a segunda-feira a meteorologia apontava que haveria chuva no dia das corridas, o que felizmente não aconteceu. Até caíram uns pingos leves, mas bem depois do fim da nossa programação, não foi nada que pudesse espantar o público do autódromo”, comentou.

O público do GP Curitiba não foi o maior da história do Moto 1000 GP em números absolutos. “Já tivemos eventos com mais torcedores em algumas outras praças, mas podemos considerar que foi o maior, proporcionalmente, considerando tudo que pesava contra e que na véspera das corridas a etapa perdeu toda a alegria”, lembrou, citando o acidente verificado nos treinos livres de sábado (25) que tirou a vida do piloto Daniel Lenzi.

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Chega ao Brasil nova jaqueta Air Bag One da Texx.

Nova jaqueta é certificada pela Comissão Européia; segue os padrões internacionais de segurança e infla em menos de 0,25 milésimos de segundos após o impacto.

Fonte: Engenharia de Comunicação
A TEXX, marca de acessórios e vestuário da Laquila, apresenta seu mais novo lançamento para motociclistas: a Jaqueta Air Bag One, desenvolvida com o sistema de segurança mais desejado do mundo.
A Jaqueta Air Bag One possui um cilindro interno de CO2 acionado por gatilho, que pode ser trocado após utilização. Em menos de 0,25 milésimos após um impacto, a jaqueta infla formando uma barreira de ar comprimido dentro do produto, que protege o peito, abdômen, coluna cervical, vértebras e lombar. Instantes depois, a jaqueta desinfla o que garante mobilidade e facilita o trabalho da equipe de salvamento.

A jaqueta é feita em poliéster 600D de alta resistência e conforto; possui refletivos SHINE com peças maiores (melhorando em 80% a visibilidade do motociclista à noite); sistema STOPWATER (100% a prova d´agua); bolsos internos STOPWATER para documentos e celular; sistema AIRTEXX de ventilação, forro semitérmico removível; EVAs espalhados pela jaqueta para maior proteção; tecido SWEET no pescoço e mangas (maior conforto e menor irritabilidade) e ajustes na cintura e braços.

domingo, 26 de outubro de 2014

Argentinos da GP 600 comemoram dobradinha no GP Curitiba

Juan Solorza (52)

Juan Solorza chega à segunda vitória em duas corridas disputadas no Moto 1000 GP. Pedro Sampaio diminui vantagem do líder

Fonte: Grelak Comunicação
Em sua segunda participação no Moto 1000 GP, Juan Solorza obteve neste domingo (26) a segunda vitória na categoria GP 600. O piloto argentino da Solorza Competition cumpriu à risca sua estratégia de corrida e ocupou o degrau mais alto do pódio do GP Curitiba. A prova no Autódromo Internacional de Curitiba, em Pinhais (PR), teve pilotos argentinos na segunda colocação – Sebastian Martínez foi o segundo colocado.
Três pilotos brasileiros completaram o pódio da antepenúltima corrida do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade. O gaúcho Pedro Sampaio, da Fábio Loko, terminou em terceiro, à frente do paranaense Joelsu “Mitiko” da Silva, da Paulinho Superbikes, e do paulista Matheus Oliveira, da Procomps Racing Team. Faltando duas etapas para o término da temporada, quatro pilotos ainda têm chance de conquista do título da GP 600.

O GP Curitiba não teve participação do uruguaio Maximiliano Gerardo, líder da temporada. Envolvido com sua estreia na motovelocidade europeia, o piloto da MGBikes Yamaha Racing abriu mão de participar da etapa. Ele já tem presença confirmada nas duas últimas etapas da quarta temporada do Moto 1000 GP – a próxima delas vai levar a competição de volta a Santa Cruz do Sul (RS) nas provas marcadas para dia 23 de novembro.

Gerardo mantém a liderança da GP 600 com 102 pontos. Sampaio, vice-líder, reduziu sua desvantagem em relação ao uruguaio de 29 para 13 pontos. Silva segue em terceiro na tabela com 84 pontos, enquanto o paulista André Veríssimo, também da MGBikes Yamaha Racing, foi a 68 com seu sexto lugar no GP Curitiba. São os quatro pilotos que mantêm chances de conquista do título da GP 600, categoria implantada em 2012.

MOTO 1000 GP - GP CURITIBA/GP 600
(Resultado final da corrida após 16 voltas)
1º) Juan Solorza (ARG/Yamaha), Solorza Competition, 23min01s811
2º) Sebastian Martínez (ARG/Yamaha), MGBikes Yamaha Racing, a 2s760
3º) Pedro Sampaio (PR/Kawasaki), Fábio Loko, a 3s000
4º) Joelsu da Silva (PR/Kawasaki), Paulinho Superbikes, a 10s445
5º) Matheus Oliveira (SP/Kawasaki), Procomps Racing Team, a 24s631
6º) André Veríssimo (SP/Yamaha), MGBikes Yamaha Racing, a 35s472
7º) Sérgio Laurentys (SP/Kawasaki), M2B Racing, a 46s780
8º) Lucas Bittencourt (PR/Kawasaki), Motul-DL Industries Motorsport, a 46s791
9º) Alex Pires (RJ/Honda), Center Moto Racing Team, a 58s672
10º) Dudu Costa (SP/Kawasaki), Mobil Ituran Racing Team, a 1min02s611
11º) Marcelo Dias (BA/Honda), Aclat Racing, a 1 volta
12º) Marcos Fortunato (SP/Kawasaki), Sport Plus Racing, a 1 volta
13º) Antonio Télvio (RJ/Kawasaki), Team De Grandi, a 1 volta
14º) Walteny Amaral (RJ/Kawasaki), Team De Grandi, a 1 volta


CLASSIFICAÇÃO
Após seis das oito etapas, a classificação do Moto 1000 GP na GP 600 é a seguinte:
1º) Gerardo, 102;
 2º) Sampaio, 89; 
3º) Silva, 84; 
4º) Veríssimo, 68; 
5º) Martínez, 53;
 6º) Solorza, 52; 
7º) Laurentys, 46;
 8º) Pires, 44; 
9º) Oliveira, 40; 
10º) Santin, 35

Lussiana cai, Gutierrez vence e assume a liderança do Moto 1000 GP

Wesley Gutierrez (47)

Motonil Motors-PDV Brasil comemora dobradinha no GP Curitiba e, pela primeira vez no ano, piloto brasileiro lidera a GP 1000

Fonte: Grelak Comunicação
O paranaense Wesley Gutierrez conquistou neste domingo (26) a vitória no GP Curitiba, sexta e antepenúltima etapa da categoria GP 1000, a principal do Moto 1000 GP. Com o resultado no Autódromo Internacional de Curitiba, em Pinhais (PR), o piloto da Motonil Motors-PDV Brasil assumiu a liderança do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade, com cinco pontos de vantagem sobre o francês Matthieu Lussiana, agora vice-líder.
É a primeira vez que um piloto brasileiro ocupa a liderança da principal categoria do Moto 1000 GP na temporada de 2014. O resultado da prova só foi definido na penúltima volta, quando Lussiana, líder desde a largada, sofreu um acidente e abandonou a prova. Companheiro de equipe de Gutierrez, o paulista Danilo Lewis consolidou a dobradinha consolidando na linha de chegada sua ultrapassagem sobre o argentino Marco Solorza.

A vantagem de Lewis sobre Solorza foi de seis milésimos de segundo. O português Miguel Praia, da Center Moto Racing Team, e o paranaense Diego Faustino, do Team Suzuki-PRT, completaram o pódio do GP Curitiba, que não teve comemoração. A cerimônia contida de premiação deu-se em homenagem ao piloto paranaense Daniel Lenzi, que perdeu a vida após um acidente sofrido durante os treinos livres de sábado (25) em Curitiba.

Gutierrez, que alcançou o topo do pódio pela primeira vez em Cascavel, na quarta etapa da temporada, chegou aos 99 pontos. Lussiana soma 94. Lewis ganhou duas posições na tabela de pontos e agora é o terceiro, com 72, quatro à frente de Praia, o quarto, e com nove de vantagem sobre Luciano Ribodino, bicampeão do Moto 1000 GP, que era terceiro e abandonou o GP Curitiba com problemas nos freios da moto da Aclat Racing.

A estratégia de Gutierrez para a atuação na etapa curitibana priorizava a busca de pontos no campeonato. “Fiz um começo de corrida com muita cautela pensando no campeonato, sabia que não podia assumir o risco de uma queda, por exemplo”, ilustrou. “Dei meu máximo do meio da corrida para frente, estava buscando o Matthieu. Infelizmente ele caiu, a gente estava em um ritmo forte, mas estou muito contente com a vitória e a liderança”, continuou.

MOTO 1000 GP - GP CURITIBA/GP 1000
(Resultado final da corrida após 18 voltas)
1º) Wesley Gutierrez (PR/Kawasaki), Motonil Motors-PDV Brasil, 24min34s938
2º) Danilo Lewis (SP/Kawasaki), Motonil Motors-PDV Brasil, a 4s270
3º) Marco Solorza (ARG/Kawasaki), Solorza Competition, a 4s276
4º) Miguel Praia (POR/Honda), Center Moto Racing Team, a 6s871
5º) Diego Faustino (PR/Suzuki), Team Suzuki-PRT, a 11s762
6º) Victor Moura (PR/BMW), M2B Racing, a 33s346
7º) Renato Andreghetto (SP/Suzuki), Team Suzuki-PRT, a 34s942
8º) Sergio Fasci (ARG/Yamaha), MGBikes Yamaha Racing, a 1min12s951
9º) Nico Ferreira (ESP/Kawasaki), Aclat Racing, a 1min16s175
10º) Philippe Thiriet (MG/Kawasaki), Motonil Motors-PDV Brasil, a 1 volta

CLASSIFICAÇÃO
Após seis das oito etapas, a classificação do Moto 1000 GP na GP 1000 é a seguinte: 
1º) Gutierrez, 99 pontos; 
2º) Lussiana, 94; 
3º) Lewis, 72; 
4º) Praia, 68; 
5º) Ribodino, 63;

Lucas Teodoro é o quinto piloto a conquistar vitória na GP Light em 2014

Lucas Teodoro

Piloto paulista da BMW Motorrad Alex Barros Racing alcança no GP Curitiba sua primeira vitória no Moto 1000 GP. Henrique Castro do DF ficou em sétimo.

Fonte: Grelak Comunicação.
A temporada de 2014 do Moto 1000 GP conheceu neste domingo (26) o quinto piloto a conquistar uma vitória na categoria GP Light. Lucas Teodoro, paulista que compete pela BMW Motorrad Alex Barros Racing, obteve o inédito primeiro lugar no GP Curitiba, sexta das oito etapas, disputada no Autódromo Internacional de Curitiba, em Pinhais (PR). Ele largou da pole position e liderou a corrida da terceira à última das 16 voltas da prova.
O segundo colocado foi o também paulista Rodrigo de Benedictis, da Motonil Motors-PDV Brasil, que alcançou seu quinto pódio em seis corridas e assumiu a vice-liderança do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade. Jean Vieira, catarinense que estreou pela MF Racing Team, foi o terceiro. O pódio acolheu, ainda, o argentino Nicolas Tortone, quarto com a MGBikes Yamaha Racing, e o paulista Fábio Adas, da Paulinho Superbike, quinto.

A liderança da GP Light no Moto 1000 GP segue com Henrique Castro, brasiliense que compete pela City Service BSB Motor Racing e terminou o GP Curitiba em sétimo lugar. Sua vantagem sobre Benedictis é de 88 pontos. Ian Testa, companheiro de equipe de Benedictis, largou em último, terminou em nono e caiu de segundo para terceiro na pontuação do campeonato, agora a 16 pontos de Castro – a diferença entre os dois era de 14 pontos.

Castro é o único piloto com duas vitórias na temporada de 2014. Ganhou a segunda etapa, em São Paulo, e a quinta, em Goiânia. Adas foi o vencedor da primeira prova do ano, disputada em Santa Cruz do Sul – a pista gaúcha vai receber também a sétima e penúltima etapa, no dia 23 de novembro. A terceira prova teve Testa na primeira colocação. A quarta, em Cascavel, foi vencida por Tortone, hoje quarto no campeonato a 20 pontos do líder.

“Foi uma corrida de um ritmo forte no começo. Depois consegui abrir e mantive o ritmo. No fim o calor aumentou e o cansaço foi aumentando, ficou mais complicado, mas conseguimos a vitória”, aliviou-se Teodoro, que tinha o terceiro lugar na etapa goiana como melhor resultado no Moto 1000 GP. Para Benedictis, a vice-liderança do campeonato foi o saldo positivo. “Larguei bem e fiz uma condução segura, levando a moto sempre em pé”, ilustrou.

MOTO 1000 GP - GP CURITIBA/GP LIGHT
(Resultado final da corrida após 16 voltas)
1º) Lucas Teodoro (SP/BMW), BMW Motorrad Alex Barros Racing, 22min24s847
2º) Rodrigo de Benedictis (SP/Kawasaki), Motonil Motors-PDV Brasil, a 3s226
3º) Jean Vieira (SC/Kawasaki), MF Racing Team, a 10s283
4º) Nicolas Tortone (ARG/Yamaha), MGBikes Yamaha Racing, a 12s392
5º) Fábio Adas (SP/Kawasaki), Paulinho Superbikes, a 14s798
6º) Gustavo Herrera (PR/Kawasaki), Motonil Motors-PDV Brasil, a 18s468
7º) Henrique Castro (DF/Kawasaki), City Service BSB Motor Racing, a 19s074
8º) Juracy Rodrigues (PR/BMW), Black Day Racing Team, a 21s180
9º) Ian Testa (DF/Kawasaki), Motonil Motors-PDV Brasil, a 38s960
10º) Alen Modesto (BA/Kawasaki), Aclat Racing, a 39s242
11º) Fabiano Hazan (SC/Kawasaki), Pro Racing Team, a 40s162
12º) Marcello Souza (SP/Kawasaki), JC Racing Team, a 55s895
13º) Davi Costa (SP/Kawasaki), JC Racing Team, a 56s081
14º) Diogo Ramos (SC/Kawasaki), Carlos Barcelos, a 1min11s620
15º) Carlos Barcelos (RS/Suzuki), Carlos Barcelos, a 1min14s409
16º) Fernando Silva (BA/Kawasaki), Aclat Racing, a 1min17s051
17º) Alexis Hay (PR/Kawasaki), Hay Racing Team, a 1min17s084
18º) Sérgio Prates (SP/Kawasaki), JC Racing Team, a 1min21s998
19º) Willians Salles (SP/Suzuki), Sport Plus Racing, a 1min23s739
20º) Bruno Teixeira (MG/Yamaha), Catarina Racing, a 1 volta

CLASSIFICAÇÃO
Após seis das oito etapas, a classificação do Moto 1000 GP na GP Light é a seguinte:

1º) Castro, 98 pontos;
2º) Benedictis, 88;
3º) Testa, 82;
4º) Tortone, 78;
5º) Adas e Teodoro, 65;